O que é afinidade?

afinidade2.jpg

Afinidade é um dos poucos sentimentos que resistem ao tempo e ao depois. A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil, delicado e penetrante dos sentimentos. É o mais independente. Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos, as distâncias, as impossibilidades. Quando há afinidade, qualquer reencontro retoma a relação, o diálogo, a conversa, o afeto no exato ponto em que foi interrompido. Afinidade é não haver tempo mediando a vida.

Ter afinidade é muito raro. Mas quando existe não precisa de códigos verbais para se manifestar. Existia antes do conhecimento, irradia durante e permanece depois que as pessoas deixaram de estar juntas. O que você tem dificuldade de expressar a um não afim, sai simples e claro diante de alguém com quem você tem afinidade.

Afinidade é ficar longe pensando parecido a respeito dos mesmos fatos que impressionam, comovem ou mobilizam. É ficar conversando sem trocar palavras. É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento.

Afinidade é sentir com. Nem sentir contra, nem sentir para, nem sentir por, nem sentir pelo. Quanta gente ama loucamente, mas sente contra o ser amado? Sentir com é não ter necessidade de explicar o que está sentindo. É olhar e perceber. É mais calar do que falar, ou, quando é falar, jamais explicar, apenas afirmar.

Afinidade é jamais sentir por. Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo. Mas quem sente com, avalia sem se contaminar. Compreende sem ocupar o lugar do outro. Aceita para poder questionar. Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar.

Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças. É conversar no silêncio, tanto nas possibilidades exercidas quanto das impossibilidade vividas.

Afinidade é retomar a relação no ponto em que parou sem lamentar o tempo de separação. Porque tempo e separação nunca existiram. Foram apenas oportunidades dadas (ou tiradas) pela vida, para que a maturação comum pudesse se dar. E para que cada pessoa pudesse e possa ser, cada vez mais a expressão do outro sob a forma ampliada do eu individual aprimorado.

Arthur da Távola

Comentários

    • eliana disse

      Nossa muito lindo esse texto, me fez viajar em pensamento me levou a um lugar, um tempo a uma pessoa na qual é muito parecido comigo em todos os sentidos. Ele nasceu um dia a tes de mim temos muita afinidades.

  1. Richard disse

    Adorei seu texto. Estou me aprofundado nesse tema e posso acrescentar que a afinidade existe em toda a natureza e em todo universo em vários níveis. A mais bela e complexa de todas é a afinidade humana, pois é percebida pela mente através da faculdade mental da inteligência. A Afinidade é eterna (vai além de uma vida humana) por isso podemos nos afinar com conhecimentos, habitos e condições de outras épocas. Existem estudos que indicam a existência uma Lei Universal de afinidade.

  2. Wandecy Medeiros -Patos-PB disse

    Eu não deveria chorar, mas chorei

    Estive nas Placas fazendo uma visita. Vi uma menina de 14 anos, grávida. Ela não tinha nem um cobertor pra dormir e seu rosto estava marcado com chupadas de muriçocas. A menina de iniciais MLF disse ter relações sexuais desde os 12 anos. Acabou engravidando e o pior, não sabe quem na verdade é o pai da criança que está dentro dela.
    Eu, homem racional e frio, não deveria chorar vendo isso, mas chorei.
    Encontrei um senhor com mais de 15 dentes cariados. O senhor Pedro, 52 anos, é esperançoso de que os seus quatro filhos que moram em São Paulo possam um dia mandar-lhes dinheiro para que ele coloque uma dentadura. Ele mora com a esposa e sobrevive juntando vidro, papelão, alumínio, e pegando balaio no mercado. Sonha em conseguir uma aposentadoria e a roupa mais nova que ele possui é, na verdade, vestimentas já surradas de um irmão que falecera há três anos.
    Eu, escritor crítico e sagaz, não deveria chorar vendo isso, mas chorei.
    Conheci Dona Lúcia, uma mulher de seis filhos que ganha a vida lavando e passando roupas. Suas três filhas (duas são mães solteiras) trabalham como empregadas domésticas e dos seus três filhos homens, um é criança (tem oito anos), o outro é adolescente viciado em drogas e o terceiro vende tomates no mercado da fruta. Há 15 dias a família da viúva Dona Lúcia não come carne e quando come, diz ela, é aquela carne já com cheiro desagradável que eles compram no mercado por um preço muito baixo.
    Eu, jornalista e homem preparado para conter as emoções, não deveria chorar, mas chorei.

    Do livro “Fulano, Beltrano e Sicrano”

  3. Daise disse

    Nesse mundo corrido em que vivemos, tudo é superficial. Vivemos sentimentos superficiais, relacionamentos superficiais, amizades superficiais… Não nos entregamos de corpo e alma ao que fazemos, por isso a afinidade estar se tornando rara. Muito bom esse texto do Arthur da Távola. Gosto muito do que ele escreve. Adorei o “ Simples Coisas da Vida”. Coloquei-o no meio favoritos. E viva o São João nordestino!
    Daise

  4. *Veri* disse

    Oi CIRILO esse texto é lindo, conheço e até já o coloquei no meu blog
    E ele fala muitas verdades, e que no seu momento, lhe fará refletir sobre os relacionamentos de sua vida!
    Desejo de todo coração que encontre a pessoa que tenha toda afinidade com você, pra lhe fazer muito feliz, e vice versa!
    Tudo tem sua hora, e você será muito feliz com certeza!
    um Xêro de jasmim e sándalus.
    Beijokinhas docinhas em seu admirado e lindo coração!

  5. Gera disse

    Gostei muito do texto. Tenho muita afinidade com minha esposa. É uma pena que, hoje, a grande maioria das pessoas não busque relacionamentos desse tipo. Só não concordo com uma coisa: não acho que a afinidade seja rara. Nós apenas não damos espaço para percebê-la. Acho que muita gente morre de medo de se entregar aos seus sentimentos, mesmo que sejam belos.
    Gostei do que escreve. Já o coloquei em meus Favoritos.
    Abraços!

  6. Alessandra disse

    Belíssimo texto…A afinidade realmente deve existir para que um relacionamento (seja qual for) dê certo…
    Nem mesmo a distância é capaz de acabar com um relacionamento qdo ela existe!
    Um ótimo fim de semana!
    Beijo grande,
    Alê

  7. Marfil disse

    Hoje não farei comentários sobre esse post, mas vou comentar certos comentários. Considero os blogs como pequenos diários digitais. Se eles são belos, são lindos é porque é inerente do autor registrar apenas esses fatos, nada mais. Isso é bom! É saber ser proativo! Carpem diem!

    Por mais mascarado que seja um blog, é impossível não perceber as pequenas nuances da personalidade do autor. Está na pauta do dia, Ali mesmo, escrito e documentado, só que codificado.

    Ter amigos…Ter afinidades é saber decodificar esses pequenos mistérios

    Será que os blogs são ferramentas para aumentar a estima? Talvez…Mas eu digo e daí? O que isso implica? Não importa…

    Mauricio R. Silva Filho

  8. **NeSsA** disse

    Oiee meu lindo….realmente afinidade é um sentimento muito bom, é algo lindo..assim como você…to com saudades…ve se aparece…bjos

  9. Luiz disse

    Oi, Cirilo, tudo bem?
    Oxe, este texto de afinidade é muito bom. E tb é muito bom viver esse texto, ter alguém, um amigo, um amor, qualquer pessoa que seja para termos afinidade e crescermos interiormente e construirmos um mundo juntos. (Xi…srsr.. eu nunda mais tinha dito isso “construir um mundo juntos”..srsr).
    Abraços
    fui

  10. Taciana Previato disse

    Lindo , como sempre !!
    Obrigada por ter respondido meus emails, vc é sempre máximo.

    Beijos Carinhosos e se cuida , tá ?

    TA

  11. Taty disse

    …sem palavras é o resumo de um sentimento puro e sem egoísmo! Sentir “com” sem tomar posse ou domínio, perfeito!
    Bjs

  12. Pernambaiano disse

    Esse texto é muito bom, quem tem afinidade sabe disso, mas eu vim falar de outra coisa aqui hoje. Que vc não tenha feito um único comentário sequer no meu novo blog (com aquela desculpa que seu comentário é imperceptível)eu até tento entender e perdôo. Mas se vc não participar do meu quiz (no ar desde ontem)eu vou ficar realmente chateado…

Trackbacks

Deixe um comentário