Poesia Caipira

vila.jpg

Vô contá como é triste vê a veíce chegá,
Vê os cabêlo caíno, vê as vista encurtá.
Vê as perna trumbicano, com priguiça de andá.
Vê “aquilo” esmoreceno, sem força prá levantá.

As carne vão sumino, vai parecêno as vêia.
As vista diminuíno e cresceno a sombrancêia.
As oiça vão encurtano, vão aumentano as orêia.
Os ôvo dipindurano e diminuíno a pêia.

A veíce é uma doença que dá em todo cristão:
dói os braço, dói as perna, dói os dedo, dói a mão.
Dói o figo e a barriga, dói o rim, dói o pulmão.
Dói o fim do espinhaço, dói a corda do cunhão.

Quando a gente fica véio, tudo no mundo acontece:
vai passano pelas rua e as menina se oferece.
A gente óia tudo, benza Deus e agradece,
Correno ligeiro prá casa, procurano o INSS.

No tempo que eu era moço, o sol prá mim briava
Eu tinha mil namorada, tudo de bão me sobrava.
As menina mais bonita, da cidade eu bolinava.
Eu fazia todo dia, chega o bichim desbotava.

Mas tudo isso passô, faz tempo ficô prá tráis
As coisa que eu fazia, hoje num sô capaiz.
O tempo me robô tudo, de uma maneira sagaiz.
Prá falá mesmo a verdade, nem trepá eu trepo mais.

Quando chega os setenta, tudo no mundo embaraça.
Pega a muié, vai pra cama, aparpa, beija e abraça,
Porém só faz duas coisa: solta peido e acha graça .

a.d.

********************

Como é final de semana, coloquei essa poesia caipira pra desopilar e trazer mais humor a este ambiente, porque rir ainda é o melhor dos remédios e a cura para muitos males.

Mas, mudando de assunto, nos dois últimos posts, de quinta e sexta, só há 6 comentários e 1 foi meu. Não sei porque as pessoas não comentam, não se expressam. Algum problema? Queria entender e claro fazer de tudo para melhorar. Afinal de contas, mantenho este espaço para as pessoas. Pago pelo domínio, pago pela hospedagem, só para continuar com meu objetivo de levar mais reflexão, debates, sentimentos, para a vida das pessoas. Poderiam enviar-me situações e experiências vividas e eu escreveria a respeito, poderiam suscitar algum tema para debate, etc. Contudo não se expressam, não se manifestam… Poxa. Nunca me preocupei com a quantidade de comentários, mas se quase ninguém está comentando, algum problema pode estar havendo e eu gostaria de saber.

Bem, excelente final de semana a todos.

Forte abraço e até muito breve.

Sinceramente.

Azul – Djavan

Comentários

  1. Raquel disse

    Bom dia, adorei este poema caipira, me encheu de humor e alegria, vou levá-lo para um sarau um dia.

Deixe um comentário